O Cinema Palestino - "Recordar o Passado, Animar o Presente, Iluminar o Futuro.
O Cinema Palestino - "Recordar o Passado, Animar o Presente, Iluminar o Futuro.
6 months ago
Cooperativa Mula
Largo Santo André, 3, 2830-238 Barreiro, Portugal

A Cooperativa Mula prossegue em dezembro com um novo ciclo de filmes dedicados ao povo palestino e à sua luta contra a ocupação colonial Israelita desde 1948. Um programa sobre a cultura, a perseverança e a memória colectiva palestina.

Tradução Imagem: O Cinema Palestino - recordar o passado, animar o presente, iluminar o futuro
Cartaz de Abdel Rahman Al Muzain (1985) / SAMED - Palestine Martyrs Works Society

Nos tardios anos 60 um grupo de jovens árabes dedicados à luta pela libertação palestina - entre os quais Sulafa Jadallah, Mustapha Abu Ali e Hani Jawhariyah - formaram o que ficaria conhecido como o Palestine Film Unit. Registando as suas vidas e luta pela justiça, trabalhando entre a ficção e o documentário, este colectivo de realizadoras e realizadores daria início ao Novo Cinema Palestino, ambicionado criar um novo tipo de cinema combativo, tanto político como estético.

Muito deste arquivo, desaparecido e destruído na invasão israelita do Líbano em 1982, foi sendo recuperado ao longos dos anos por membros do próprio colectivo, incluindo Khadijeh Habashneh, no que ficou conhecido como o importante arquivo Palestinian Cinema Institution (PCI), ou através de projectos mais recentes como o Void Project, essenciais na recuperação e divulgação destes filmes, e acima de tudo manutenção e desenvolvimento da cultura e memória deste povo.

Indissociáveis dos movimentos pela libertação da Palestina, como o OLP (Organização para a Libertação da Palestina) ou a FPLP (Frente Popular pela Libertação da Palestina), muitos dos filmes exibidos neste programa foram produzidos ou financiados por estas organizações, nunca tendo chegado a ser exibidos na Palestina.

Com esta seleção procuramos dar visibilidade à força da resistência palestina, para além das representações do ocidente.

Pelo fim do genocídio do povo palestino, o cesar-fogo já!
“Do rio até ao mar, a Palestina será livre”

#savegaza #standewithPalestine #stopthegenocide

<<>> PROGRAMA <<>>

<><><><><><><><><><><><><><>
Terça, 5 c/ concerto Emílio José
<><><><><><><><><><><><><><>

THE ROAD TO PALESTINE de Layali Bader (1983)
Animação, 7’24min / produzido pela OLP

Série “Mulheres da Revolução”. Restauro concluído em novembro de 2019. Restaurado pelo The Void Project e London Palestine Film Festival.

Layla, de sete anos, vive num campo de refugiados fora da Palestina. Seu pai foi morto e ela ficou gravemente ferida em um ataque aéreo. Compartilhamos a vida de Layla e suas amigas, que nos contam como imaginam a Palestina, apesar de nunca a terem visto.

THEY DO NOT EXIST de Mustafa Abu Ali (1974)
Doc, 25 min, Líbano

Mustafa Abu Ali, faleceu em julho de 2009. Considerado o fundador do Cinema Palestino, Abu Ali criou a Divisão de Cinema da OLP.

O título do filme foi inspirado num discurso de Golda Meir – quando disse: Quem são os palestinianos? Eu não conheço nenhuma pessoa com este nome, eles não existem. A questão aqui é que, se os palestinianos não existem, então quem diabos estão a bombardear?

Resgatado das ruínas de Beirute depois de 1982, é o primeiro filme de Abu Ali, recentemente disponibilizado. Filmando em condições extraordinárias, o realizador, que trabalhou com Godard em Ici et Ailleurs (Aqui e em outro lugar), e fundou a divisão de filmes da OLP , filma as condições nos campos de refugiados do Líbano, os efeitos dos bombardeios israelitas e a vida dos guerrilheiros nos campos de treino. They Do Not Exist é uma obra estilisticamente única que demonstra a intersecção entre o político e o estético.

<><><><><><><><><><><><><><>
Terça, 12
<><><><><><><><><><><><><><>

RETURN TO HAIFA de Kassem Hawal (1982)
Ficção, 77 min, Filme OLP

Return to Haifa é baseado no romance de Kanafani cujo enredo se passa em 1967, quando refugiados palestinos, que viviam nos territórios recém-ocupados, tiveram a oportunidade de visitar os locais de onde foram expulsos em 1948.

<><><><><><><><><><><><><><>
Terça, 19
<><><><><><><><><><><><><><>

INTRODUCTION TO THE END OF AN ARGUMENT / INTIFADA - SPEAKING FOR ONESELF...SPEAKING FOR OTHERS…(1990)
Um vídeo-ensaio de Jayce Salloum & Elia Suleiman
Experimental, 41min

Com uma combinação de filmes de Hollywood, europeus e israelitas, documentários, cobertura jornalística e trechos de imagens 'ao vivo' filmadas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, ‘Introduction to the end of an argument’ critica a representação do Médio Oriente, da cultura árabe , e o povo palestino produzido pelo Ocidente.

PALESTINIAN IDENTITY de Kassem Hawal (1984)
Documentário, 38’23min, Filme OLP

Em 1982, Israel invadiu o Líbano e ocupou a sua capital, Beirute. O filme é um raro exemplo de um filme da OLP, realizado após a sua retirada de Beirute. Documenta os centros culturais e educacionais queimados e destruídos por israelitas, que roubaram filmes, fotografias e manuscritos históricos e contemporâneos. Inclui entrevistas com membros-chave da cena cultural palestina, como Mahmoud Darwish e Ismail Shammout, responsáveis ​​por centros culturais e educacionais que foram destruídos.

<><><><><><><><><><><><><><>
Terça, 26
<><><><><><><><><><><><><><>

JERUSALÉM, FLOWER OF ALL CITIES de Ali Siam (1969)
Fotografia: Hani Jawharieh
Documentário, 16mm, 7’55 min, produzido pelo Ministério da Cultura da Jordânia.

Restaurado por Azza El-Hassan, fundadora do The Void Project em 2017 com o apoio da Creative Interruptions AHRC.

Uma imagem harmoniosa da vida civil palestina é perturbada pela ocupação da cidade pelo exército israelita após a guerra de 1967 com Israel. Com a trilha sonora “As Flores de todas as Cidades”, famosa canção de Fairouz, o filme mantém relevância contemporânea.

THE UPPER GATE de Arab Loutfi (1991)
Documentário, 90 min, Produzido pelo Conselho Cultural OLP

“Quando voltei para Sidon em 1983, ela tinha acabado de ser ocupada. A minha irmã destruiu vários documentos em pânico porque os soldados sionistas estavam a chegar, e perdi muitas das minhas recordações. Amigos foram mortos e lugares que eu amava foram destruídos. Eu queria capturar memórias que não pudessem ser destruídas. A cidade havia sobrevivido e muitas pessoas que eu conhecia ainda moravam lá e faziam um balanço de suas perdas. Na verdade, todos no documentário eram alguém que eu amava e, portanto, o filme foi, em muitos aspectos, uma forma ampliada da minha memória”. Através das histórias das pessoas, The Upper Gate tece a história da cidade de Sidon, no sul do Líbano.

Entrada livre a sócios

Para reservar jantar (servido a partir das 20:00): https://forms.gle/V5jaYD7ywV5FX9CF6


1 0